Bolívia Backpacking: Guia de Viagem

Viajar é sempre recompensador por diversos motivos. Conhecer as culturas e as paisagens naturais de várias localidades do planeta são experiências enriquecedoras — seja de lugares mais próximos ou de lugares longínquos.

Para os brasileiros, países vizinhos como a Bolívia podem ser um desses destinos. Apesar de existirem outros tantos destinos por aqui.

O país apresenta ecossistemas únicos e cidades que são parte da história ainda viva da América Latina. Com climas variados — da neve ao tropical —, uma viagem pela Bolívia pode ser uma aventura completa e surpreendente.

Entenda por que vale a pena ir para lá

A Bolívia apresenta belezas naturais incomparáveis, como o maior deserto de sal do mundo. O Salar de Uyuni, no sudoeste do país, atrai turistas de todos os lugares. Uma das vantagens é que a Bolívia é pouco explorada turisticamente se comparada a outros países, como Chile e Argentina — fator que ajuda a manter diversas dessas paisagens únicas quase intocadas.

Sítios arqueológicos e grandes museus podem ser outro ponto forte do mochilão pela Bolívia. Se você procura por turismo de aventura ou cultural, esse é o lugar certo. Os mochileiros podem encontrar as grandes cordilheiras, o planalto e algumas cidades aparentemente coloniais.

Ao Norte, está o Lago Titicaca, famoso entre turistas, o maior em volume de água na América do Sul. Tantos padrões climáticos resultam em uma grande riqueza da fauna e flora do país.

Para os que apreciam arquitetura e artes em geral, a cultura indígena boliviana guarda suas particularidades: a riqueza linguística dos povos nativos, a musicalidade que apresenta influências latinas e africanas, entre outras belezas. Como a variedade é enorme, para aproveitar isso tudo, alguns detalhes são importantes.

O que você precisa saber antes do seu mochilão pela Bolívia

Em primeiro lugar, o governo boliviano exige que turistas estejam vacinados contra a febre amarela. Uma fiscalização pode ocorrer, pois o mais importante é a saúde de todos. Sempre vale ressaltar que a vacina possui validade média de 10 anos para a imunização completa.

Outra preocupação deve ser a altitude. A maioria dos roteiros turísticos bolivianos inclui regiões extremamente altas — localidades entre as mais elevadas do planeta. Mesmo que seja uma característica muito atrativa para os mochileiros, é preciso cuidado para não sofrer com o Soroche, ou Mal de Altitude. A tradição andina de mascar folhas de coca parece ser útil nesse caso. A alimentação leve, a boa hidratação e a adaptação gradual de altitude podem resolver o problema do Soroche.

Mais uma característica nacional que precisa ser levada em conta em um mochilão pela Bolívia é o desenvolvimento socioeconômico e a infraestrutura do país. Tudo ainda é precário e não espere grandes investimentos em turismo por parte do poder público.

Por isso, o país pode ser um ótimo destino para quem busca uma viagem que o desconecte da realidade digital dos grandes centros: transporte público defasado, internet lenta ou escassa, características que exigem um espírito mais aventureiro dos visitantes. Pelo menos, essas questões se refletem no preço relativamente barato de se escolher a Bolívia como destino na América Latina.

Saiba quanto e como gastar os seus bolivianos

Hoje, uma unidade da moeda boliviana (Boliviano) equivale, em média, a 46 centavos do nosso real. Ou seja, tudo pode sair mais em conta em relação a outros países latino-americanos. Por exemplo, os gastos com translado pelo país variam muito: as passagens de ônibus podem ser de 10 a 80 reais por pessoa, tudo depende da distância. De qualquer forma, pode ser considerado um destino barato para se fazer mochilão.

Caso você tenha uma boa reserva, pode optar pela via aérea para as distâncias maiores entre algumas cidades: algumas empresas cobram valores pequenos pelos voos, pouco mais de cem reais. Se você optar por uma viagem mais simples, encontra pernoites em albergues por 20 reais. Refeições e garrafas de um litro de água custam, em média, 10 e 2 reais. Uma dica: reserve dinheiro para o seguro viagem.

Você dificilmente consegue pagar as coisas com cartão de débito/crédito na Bolívia. Saiba que você precisará de dinheiro em mãos. A solução pode ser trocar dólares americanos em lojas especializadas ou até com cambistas (o que é menos recomendável). Evite levar apenas reais, pois nem todos aceitam. Você não precisa e deve evitar ao máximo ficar andando com dinheiro na sua mochila.

Procure pelas casas de câmbio em cidades maiores porque, geralmente, apresentam taxas melhores. Outra opção pode ser o saque de moeda local em agências bancárias. Claro, você paga algumas taxas a mais, mas ganha segurança. Informe-se melhor no banco que você utiliza.

Prepare a sua mochila do jeito certo

Como já foi dito, um mochilão pela Bolívia oferece paisagens variadas e, consequentemente, climas diferentes na mesma proporção. Para economizar na quantidade de roupas na bagagem, aproveite que os serviços de lavanderia são baratos no país e utilize-os. Porém organize uma gama ampla de modelos para as diversas situações.

Algumas dicas para os dias de frio: casaco corta-vento, fleece e segundas peles. Não esqueça esses três tipos de roupas, eles serão valiosos em qualquer destino gelado. As calças e botas impermeáveis salvarão, literalmente, sua pele em muitos momentos. Tecidos mais grossos, como o jeans, também são boas opções. Os acessórios, como tocas, luvas e cachecóis não podem faltar. Para as meninas, meias-calças de fio grosso ajudam bastante.

Agora vamos dar dicas sobre a parte verão da sua mala. É bem possível que você precise encarar temperaturas muito quentes e a ação de insetos. Lembre-se: óculos de sol e protetor solar são indispensáveis. De acordo com seu roteiro, inclua roupas de banho na sua mala. O repelente e o protetor labial também serão seus grandes aliados.

Leve uma mochila, ou mais de uma, que suporte transportar muitos itens e seja leve. Não esqueça medicamentos básicos, como band-aids e materiais de primeiros socorros. E nunca é demais falar deles: os documentos. Parece bobagem, mas é importante regularizá-los para evitar dor de cabeça no futuro. Outros produtos de higiene pessoal são essenciais, como pasta, escova de dente e papel.

Conheça as belezas naturais da Bolívia

Os entusiastas e praticantes do turismo de aventura podem optar por dezenas de destinos. A Bolívia oferece todo tipo de paisagem e isso se traduz nos principais pontos turísticos. Alguns são nomes conhecidos por nós, como Santa Cruz de La Sierra e a altíssima La Paz.

Confira um pouco mais sobre algumas regiões bolivianas e suas belezas.

Samaipata

Localizada próxima aos Andes, a 1650 metros de altura, a cidade guarda um valor histórico gigantesco. Para se ter uma ideia, o local possui uma rocha de 250 metros de altura e 60 de largura esculpida no período pré-colombiano. O Forte de Samaipata, como é conhecido, preserva um dos sítios arqueológicos mais fascinantes e antigos do mundo.

Além das grandes ruínas, o cenário tira o fôlego da gente não só pela altitude, mas pela beleza.

Sucre

Assim como o Forte de Samaipata, Sucre também foi considerada patrimônio da humanidade pela Unesco. Detalhe: nesse caso, a cidade toda. A importância histórico-política da Cidade Branca é imensa para os bolivianos, e é um caminho imprescindível em qualquer mochilão pela Bolívia. Apesar de algumas confusões, principalmente com La Paz, esta é a capital oficial do país.

Entre Santa Cruz e Potosí, sob quase 3 mil metros de altitude, abriga a quinta maior população da Bolívia. A cidade é conhecida por ser um centro universitário e um forte elemento cultural andino, perfeito para estrangeiros. Na própria arquitetura da cidade é possível ler a história boliviana e suas transformações.

Tarabuco

Não muito distante de Sucre está Tarabuco, a menos de uma hora de carro. O povoado pode parecer pequeno, mas para mochileiros interessados na cultura local é um tesouro. Além de ter dialetos regionais preservados pelos moradores, Tarabuco conserva uma grande feira de artigos indígenas — uma boa oportunidade para voltar com a sua mochila mais cheia. Uma verdadeira imersão nas idiossincrasias de uma Bolívia antepassada.

Uyuni

Essa é uma cidade notadamente turística, apresentando bares, hotéis, restaurantes e demais empreendimentos. O destaque da cidade se dá por ser a “porta de entrada” para um dos maiores pontos de turismo nacional, o Salar de Uyuni.

O Deserto de Sal da Bolívia é o maior do mundo, abrangendo uma área de 12 mil quilômetros. As imagens são simplesmente deslumbrantes, onde viajantes se deparam com uma imensidão branca a mais de 3500 metros de altitude.

Potosí

Antes era responsável por mais da metade da prata que circulava no mundo, hoje é a principal cidade de uma das regiões mais pobres da Bolívia. A triste reviravolta na história de Potosí não apagou a importância que essas montanhas já tiveram para a evolução do homem. Seus maiores atrativos são as minas de prata ainda ativas e a lagoa Ojo del Inca.

Esta antiga cratera de um vulcão inativo tem águas que passam dos 30°C e atraem muitos visitantes. Ela também é patrimônio da humanidade, declarado pela Unesco. Apesar de ser menos atraente em relação a outros pontos, ainda vale muito a pena se conhecer. A cidade ainda preserva os “ares coloniais”, quando tinha uma população tão grande quanto a de Paris.

Uma coisa é certa: um mochilão pela Bolívia pode ser uma das melhores experiências da sua vida. Quer saber tudo o que você precisa para ser um grande mochileiro? Então, confira como fazer um mochilão.

Tags:
Deixe um comentário

Share This