Relato de um Ultramaratonista e Vendedor da Wöllner

  • Home
  • Esportes
  • Relato de um Ultramaratonista e Vendedor da Wöllner

Em 2017 eu estabeleci uma meta, correr uma ultramaratona. Mas meu maior desafio não seria  a prova. E sim consolidar treinos com trabalho, aulas e estudos.

A minha rotina semanal era bem pesada. Meu dia começava as 5:30 para fazer o primeiro treino, 10km. Tinha que fazer num ritmo bom, pois tinha que dar aula de 8:00 às 09:00 na praia do Flamengo. Das 9:30 às 11:30, fazia musculação. Saindo da academia, já ia direto para a loja, de 13:00 às 19:00. Acabando minha jornada de trabalho na loja, ainda tinha a última aula de funcional para dar na praia 20:00 às 21:00. E por fim, subia Santa Teresa para fazer o terceiro treino, mais 10km e fechar o dia. O sono era contado em 6 horas. Essa rotina se estendeu por 5 meses.
Óbvio que o corpo sentiu o impacto de estar sendo exigido ao máximo. Não só o corpo, mas a mente também.
 Se você estiver com a mente focada no seu objetivo, não haverá preguiça ou cansaço que te vençam! A grande mágica do nosso corpo, é que ele se adapta a qualquer situação que nos dispomos a enfrentar. Basta você ter paciência.
Sou corredor de rua a mais de 10 anos. Tenho no currículo 6 maratonas (oficiais) e muitas não oficiais.  Nunca havia feito uma ultra oficialmente. Então alguns detalhes eu só aprenderia na prática mesmo, e da pior forma, errando (risos).
Devido a uma verdadeira epopeia que enfrentei na véspera da prova, demorei exatamente 12 horas só para chegar em Bertioga, pois tive que ir de ônibus do Rio de Janeiro para São Paulo (Capital) graças a um imprevisto com a passagem de avião nas vésperas da viagem.
 A prova é dividida em três modalidades: solo, frio e octeto. Em todas categorias, você tem a opção de ir com um carro de apoio para lhe dar suporte durante os 75km; Alimentação, hidratação, suplementação e a segurança de saber que se você quebrasse, era só embarcar no veículo, que estaria são e salvo. Pois bem, abracei o apelido que é dado aos corredores da categorias solo ao pé da letra “SURVIVOR” pois corri sem carro de apoio. Quase na vibe do famoso corredor raiz. Short, tênis e muita vontade (risos).
Cheguei na largada da prova as 4:58 da manhã. Minhas condições eram: vindo direto do trabalho, virado e a ‘cereja do bolo’, em jejum. Minha suplementação estava bem limitada para esse tipo de prova. Levava comigo na mochila: 8 cápsulas de sal, 8 sachês de carboidratos e 3 litros de água. Só!
O planejamento era fechar a prova em 8 horas. Mas como estava com um leve desconforto na panturrilha, esse tempo subiu para exatas 11 horas e 58 minutos. Sendo que o tempo limite pra prova era de 12h. Graças a Deus deu tudo certo e uma prova bem segura. Estava preparado pra aguentar o tranco. Foram 5 meses de preparação. Mas meu problema não era a questão física e sim a inexperiência com a  suplementação. Quando vi outros atletas com: purê de batata, refrigerante, doces e etc… vi que precisava tomar alguma providência urgente quanto a isso, pois mais tarde a conta com certeza viria. No km 35, lá pras 10h da manhã meu corpo sentiu uma necessidade absurda de doce. Fui obrigado parar em um bar pra comprar uma lata de Coca e três doces de amendoim. Como minha última refeição havia sido às 01:30 da manhã, eu já estava num defect muito grande de tudo em meu corpo.
Passada essa abstinência de doce, segui firme até os 8km finais que eram os mais duros da prova. Com uma elevação bem acentuada de 358 metros tudo ficou bem mais turvo, mas nada que a força de vontade e a gana não pudessem dar conta.
Fechei a prova com a certeza que posso mais. Em 2018 novos desafios virão e tenho certeza que essa foi a primeira de muitas nesse seguimento.
O que me levou a estabelecer essa meta pra 2017  foram diversos fatores que ocorreram em minha vida pessoal em 2016. E que me fizeram pensar: Será que eu aguento encarar esse ano?! A Ultramaratona de Bertioga foi meu horizonte o ano todo. E a linha de chegada foi a conclusão essa verdadeira aventura que vou guardar pra sempre na memória.
Ultramaratonista e vendedor da Wöllner,
Oscar Jorge Fernandes.
Tags:
Blog Comments

Irado seu relato!
Parabéns pela garra!
Se quiser te apresento um grande amigo meu fera em ultras. Chico Santos.
Eh so falar!
Abs

Deixe um comentário

Share This