Fique por dentro das regras do Windsurf

Se você é um dos apaixonados por esportes ao ar livre, certamente vai se encantar pelo windsurf. Utilizando-se de uma prancha e de uma vela, o praticante faz da superfície da água e da disposição do vento seus grandes aliados nessa excitante prática desportiva.

Este desporto náutico é uma modalidade olímpica praticada tanto por homens quanto por mulheres, sendo exercitado principalmente no mar e em lagos. É um dos esportes mais populares em todo o mundo, e conquista cada vez mais aderentes.

E então, ficou curioso para conhecer melhor esta fascinante prática esportiva? Acompanhe o post com tudo o que você precisa saber sobre o assunto, desde a história até as manobras e regras do windsurf!

História do Windsurf

O windsurf surgiu no início da década de 1960, tendo como idealizadores o casal Newman e Naomi Darby, que desenvolveram um protótipo inicial do esporte. No entanto, devido a problemas burocráticos, custos altos e uma não aceitação da ideia, a iniciativa foi deixada de lado.

Porém, poucos anos depois, em 1967, na cidade da Califórnia, a dupla Jim Drake (velejador e engenheiro aeroespacial) e Hoyle Schweitzer (surfista e empresário) se inspirou nesse projeto para trazê-lo à tona. Assim, fizeram o registro do invento, batizando-o, oficialmente, como windsurf.

Inicialmente, o windsurf era praticado em águas lisas e com a ação de pouco vento. Mas, no ano de 1978, na ilha de Maui, no Hawaii, o praticante Mike Waltze decidiu testar o esporte nas ondas, com a influência dos fortes ventos da região.

Como consequência desta novidade adaptativa, o windsurf foi ainda mais difundido em todo o mundo, ganhando muitos adeptos. Desse modo, houveram mudanças estruturais nos equipamentos para uma melhor adequação do esporte nas ondas.

Regras do windsurf

O windsurf está integrado a uma das modalidades olímpicas da vela/iatismo. Para essa prática esportiva, são utilizadas velas entre dois e cinco metros de altura e uma prancha idêntica à de surfe.

Assim, são estipuladas algumas regras e especificidades para a utilização de seus equipamentos, dada a existência de categorias distintas referentes ao esporte. Vejamos detalhes sobre algumas delas:

  • Fórmula: é umas das categorias mais recentes, possuindo uma pegada mais técnica. Tem um custo mais acessível e alto desempenho, mantendo o foco na competitividade. As pranchas possuem dimensões mais grossas, e as velas são maiores. O praticante veleja em popa, través e contravento, fazendo um percurso quadrado em sua regata;
  • Freestyle: aqui, as manobras estão no centro da competição, favorecendo quem fizer movimentos radicais com melhor performance e criatividade. Para tanto, a sua realização é mais apropriada em mares com poucas ondas ou em lagos. As pranchas precisam ser mais largas, de menor comprimento e apresentarem bordas arredondas. Já as velas devem ter tamanho mediano;
  • Wave: esta categoria atrai grandes públicos por se tratar de um verdadeiro encanto de radicalidade sobre as ondas. Os critérios avaliados estão na exibição dos saltos e manobras realizadas. As pranchas devem ter tamanho reduzido e serem arredondadas;
  • Freeride: está é uma categoria apropriada para os iniciantes ou praticantes esporádicos do esporte. Não existem especificidades já determinadas para a realização de suas provas. As pranchas são mais resistentes e possuem baixo custo;
  • Speed: aqui a velocidade é prioridade, sendo a categoria mais rápida do windsurf. O foco principal é bater os recordes de velocidade mundial. Em vista disso, sua prática ideal é em águas mais calmas, e as pranchas dos competidores precisam ser leves.

Podemos observar que as regras do windsurf e seus modos de execução variam conforme as estipulações sugeridas por cada categoria do esporte. Porém, existem regras gerais para essa prática desportiva, visando o cuidado pela integridade física do competidor e o bom encaminhamento da competição.

Tendo como pena a desclassificação, fica proibido que, durante a competição, os praticantes saiam da prancha. Também não é permitido o contato físico com outros atletas durante a prova. Práticas perigosas não são aceitas, sendo necessário o cumprimento das normas de segurança.

Equipamentos

A utilização dos equipamentos adequados é fundamental para a prática do windsurf. Temos como exemplos os seguintes instrumentos para uma boa execução do esporte:

  • prancha: suporte de ligação entre o praticante e a água;
  • vela: permite movimento à prancha, conforme a força do vento;
  • mastro: é um comporte para a vela;
  • retranca: auxilia no direcionamento e movimentação da vela;
  • pé de mastro: faz a ligação do mastro com a prancha, permitindo os movimentos;
  • quilha: é colocada na parte inferior da prancha, possibilitando o seu direcionamento;
  • arnês: é uma vestimenta que ajuda a poupar a força dos braços do competidor;
  • patilhão: localiza-se no meio da prancha, dando estabilidade ao atleta.

Antes de comprar os equipamentos, é muito importante que o praticante procure um profissional para orientá-lo. Afinal, os instrumentos devem sempre se adequar ao tipo físico do esportista e às suas pretensões com o esporte.

Principais manobras

As manobras são os grandes atrativos desta prática desportiva porque promovem um verdadeiro show de encanto sobre as águas. As principais são:

  • Aero Jibe: o praticante faz uma projeção com a prancha e movimenta-se para o lado oposto;
  • Jump Jibe: é dado um salto com a prancha, seguido de um giro de 180°;
  • Laydown Jibe: é feito um movimento para neutralizar a força do vento sobre a prancha. O atleta realiza uma curva de 180° com a vela paralela à água;
  • Jibe: o atleta faz uma curva em favor do vento;
  • Batida: é uma manobra em que o competidor se joga da parte superior da onda para sua base;
  • Batida 360: o praticante realiza um giro de 360° no ar, fazendo com que a prancha perca, momentaneamente, o contato com a água;
  • Bordo: o atleta realiza uma curva contra o vento.

É importante que o praticante siga todas as recomendações de segurança para uma execução adequada das manobras e que esteja sempre atento às regras do windsurf.

Dicas para iniciantes

Se você quer começar a praticar o windsurf, o primeiro passo é buscar uma escola especializada no esporte. Lá, você encontrará professores para fazer a inicialização segura do desporto. Geralmente, em regiões turísticas praieiras, é comum encontrar um espaço específico para fornecer este serviço.

Saber nadar também é muito importante para iniciar a prática do windsurf, portanto, busque aprender ou aperfeiçoar este exercício. Até que consiga desenvolver as habilidades necessárias, procure utilizar um colete salva-vidas.

O clima e o vento são muito pertinentes para a prática do windsurf. Um dia de tempo aberto e firme é bem favorável para curtir as sensações das ondas, e o melhor vento é aquele perpendicular à praia em que se está praticando.

Com todas as suas particularidades, o windsurf atrai diferentes públicos, estendendo-se a todas as faixas etárias. Casando as sensações da vela com o surfe, esta modalidade esportiva conquista tanto novos praticantes quanto admiradores.

Bom, agora que você já conhece um pouco sobre este fascinante esporte, que tal começar hoje mesmo a praticá-lo? Busque recomendações e reveja sempre as regras do windsurf para usufruir do desporto com toda a segurança.

E aí, gostou do post? Aproveite para fazer a assinatura de nossa newsletter. Dessa forma, você receberá as nossas atualizações na sua caixa de entrada!

Tags:
Deixe um comentário

Share This