Quatro passeios que fogem do óbvio na Serra Gaúcha

  • Home
  • Viagens
  • Quatro passeios que fogem do óbvio na Serra Gaúcha

Junho é mês de despedida do outono. Se em maio nos acostumamos com a queda de temperatura à noite, o novo mês pede casaco o dia todo. A mudança para o inverno ocorre dia 21 e traz a sugestão de novas aventuras: que tal comemorar o mês dos namorados, no friozinho da Serra Gaúcha – Rio Grande do Sul, com aquela pessoa especial?

Se visitar o Lago Negro de Gramado ou a Catedral de Pedra da cidade de Canela parece monótono demais, não se preocupe: a serra é o lugar perfeito para unir o clima romântico ao lifestyle outdoor mesmo em dias frios.

Pensando nisso, separamos quatro cidades fora dos roteiros comuns da região e contamos um pouco mais do que você pode experimentar em cada uma delas. Já deixa aquela mochila resistente separada e embarque com a gente nessa descoberta:

A serra gaúcha de Cambará do Sul

Quatro passeios que fogem do óbvio na Serra Gaúcha

Foto por Beneth Torquato


O Parque Nacional de Aparados da Serra fica a aproximadamente 20km de Cambará do Sul, e a melhor forma de acessá-lo é por carro, que pode ser alugado em Porto Alegre.

A cidade em si é pequena, concentrando restaurantes e vida noturna na Rua Getúlio Vargas. As noites em pousadas bem equipadas para o frio são o descanso perfeito para um dia de trilhas com vistas incríveis, capazes de render belíssimas fotos.

Isso porque este parque une vários cânions, com trilhas que permitem ver os paredões de cima ou de baixo. Por ser o mais conhecido da região, e talvez um dos mais visitados na Serra Gaúcha, é também o de melhor infraestrutura, com boa sinalização e trilhas de baixa, média e alta dificuldade.

As cachoeiras de São Francisco de Paula

Quatro passeios que fogem do óbvio na Serra Gaúcha

Foto por Cecilia Sanchez


O município, também conhecido como São Chico, é conhecido por suas cachoeiras. Dois parques unem pelo menos oito trilhas autoguiadas (há placas por todo lugar) e o melhor da experiência outdoor.

Tirolesa, rapel e escalada fazem parte dessa aventura, com subidas que garantem vistas amplas e inesquecíveis. O Parque das Cascatas, por exemplo, promete espaços privilegiados junto à natureza, que podem ser especialmente românticos em um pôr-do-sol.

Aliás, para quem quiser um fim de tarde tranquilo e seguro, o Lago São Bernardo é perfeito. Com extensão de 1.900 metros, é ideal para caminhadas, passeios de bicicleta ou patins.

O turismo rural de São José dos Ausentes

Quatro passeios que fogem do óbvio na Serra Gaúcha

Foto por Jair Prandi e Zelinda Rodrigues


Um dos maiores charmes do município está nas pousadas fazenda. A Pousada Monte Negro, por exemplo, oferece tanto quartos quanto chalés, e suas atividades incluem passeio a cavalo e pesca esportiva.

Mas para quem procura um programa menos caseiro, o Mirante Serra da Rocinha permite uma vista de tirar o fôlego dos cânions e das montanhas. Uma dica: aproveite o momento para praticar yoga. Este é um dos melhores lugares para se conectar consigo mesmo e o ambiente ao seu redor.

A caminhada até o pico mais alto da região, o Pico e Cânion Monte Negro, com 1403 metros em relação ao nível do mar, dá a sensação de estar no topo do mundo.

O lado radical de Jaquirana

Quatro passeios que fogem do óbvio na Serra Gaúcha

Foto por Prefeitura de Jaquirana/Divulgação


Com espaço para camping, o parque Princesa dos Campos conta com trilhas para os mais experientes, cuja recompensa são cascatas e cachoeiras com mais de 100 metros de queda.

Este ano, Jaquirana foi sede do evento que reúne amantes de adrenalina, aventura e mundo 4×4: Trancos & Barrancos, com provas de rally que levaram os competidores ao limite. Para quem gosta da atividade, o município tem várias áreas boas para a prática.

Essas viagens pedem um cuidado especial com o que se leva na mala. Roupas mais quentes, como as parkas, são ideais para a Serra Gaúcha, assim como tênis adequados para as atividades que serão praticadas.

Para quem tem outras dúvidas, não deixe de conferir nossas dicas do que levar em uma viagem. Inclusive, é muito importante ficar atento aos tipos de mochila e malas, já que elas também possuem especificidades relevantes para as aventuras.

Por exemplo, as mochilas de ataque são ótimas para trilhas mais leves e curtas, enquanto as trekking são melhores para exercícios pesados.

As malas, por sua vez, precisam ser resistentes na medida: como são usadas apenas em deslocamentos grandes, não pedem muitos detalhes e bolsos. Independentemente do objetivo, nós temos uma opção. Confere lá no nosso site a que melhor se adequa à sua viagem.

Falando nisso, qual desses lugares entrou para a sua lista? Conta para a gente nos comentários.

Deixe um comentário

Share This