Colômbia Backpacking: Guia de Viagem

Até pouco tempo, especialmente nas décadas de 80 e 90, a Colômbia era um país fora das rotas de destinos turísticos. O histórico de violência, tráfico de drogas e sequestros afastava os visitantes. Hoje, felizmente, tudo isso ficou para trás, e fazer uma viagem pela Colômbia tornou-se uma das experiências mais procuradas pelos aventureiros ao redor do mundo.

Motivos não faltam: considerado o país mais feliz da América do Sul, ele é cenário de paisagens incríveis, com muita natureza, monumentos históricos, arquitetura e arte. A gastronomia é farta e o povo é acolhedor e prestativo.

Vale a pena conferir o relato de viagem pelas terras colombianas do nosso apoiado Pedro Vianna do BikeMyself.

Nesse post, elaboramos um mini-guia para quem quer viajar pelo país latino. Confira abaixo todas as dicas, e prepare a sua mochila!

Documentação

Brasileiros podem visitar a Colômbia apenas com a carteira de identidade. Mas atenção: ela precisa estar dentro do prazo de validade e não pode ter mais de 10 anos. Se quiser levar também o passaporte, para ter um segundo documento à mão em caso de emergências, não há problema, mas ele não é necessário.

Como regra, ande sempre com a sua passagem de avião de retorno ao Brasil junto com você. Embora, na prática, muita gente relate que as autoridades dificilmente pedem pra ver esse documento, é importante tê-lo com você para evitar imprevistos. Lembre-se de guardar os papéis importantes em um bolso à parte na sua mochila, de preferência interno para evitar roubos ou perdas.

Orçamento

O peso colombiano tem menor valor que o real. Na cotação atual (janeiro de 2018), R$ 1 = 882,61 pesos colombianos. Na hora de planejar seu orçamento, coloque no papel todos os gastos diários, como alimentação, hospedagem, lazer (eventuais passeios ou compras), deslocamento e outras burocracias (como compra de cartões de internet para o celular, se for o caso, aluguel de carros etc.).

Os valores vão mudar bastante conforme a região da Colômbia em que você estiver, mas é possível estabelecer uma média de preços. Confira:

  • Garrafa de 500ml de água: 2 mil pesos colombianos (cerca de R$2)
  • Cerveja lata: 3,5 mil pesos colombianos (aproximadamente R$ 4)
  • Passagem de ônibus: entre 1,4 mil e 2,2 mil pesos colombianos (entre R$1,60 e R$2,50)
  • Prato Feito (conhecido lá como corrientazo): entre 7 mil e 12 mil pesos colombianos (entre R$7,90 e R$13,50).

É claro que aí não estão incluídos os passeios e entretenimento, que você também deve levar em conta.

Ah, e lembre-se de levar um pouco do dinheiro em reais, e outra parte em dólares. Pode ser que, em determinadas localidades, você só encontre casas de câmbio que aceitam a moeda americana.

Planejamento do roteiro: Bogotá e Medellín

A Colômbia é um país muito rico em diversidade de atrações e passeios. Por isso, focamos nossas dicas de roteiro nas duas principais cidades: Bogotá e Medellín. Confira:

Pontos turísticos

Capital e maior cidade da Colômbia, Bogotá oferece uma variedade imensa de atrações, principalmente museus. O mais famoso é o Museo Del Oro (Museu do Ouro), com exposição de trabalhos de povos antigos que usavam ouro para fabricar utensílios domésticos, ornamentações e acessórios diversos.

Para quem gosta de arte, o Museu Botero é imperdível. Dedicado ao famoso artista colombiano Fernando Botero (conhecido por seus trabalhos em que pinta objetos e pessoas). O museu é interligado à Casa da Moeda e Museu de Arte do Banco da República. A entrada é gratuita nos três locais.

Outro passeio muito procurado pelos turistas é a visita à Catedral de Sal, construída no interior de uma mina de sal na região metropolitana do município. A edificação conta com capela, museus e lanchonetes, todas em locais onde antes eram galerias de extração de sal.

Em Medellín, você terá mais contato com a natureza. Um dos pontos mais conhecidos é o Parque Explora, com um dos maiores aquários de água doce do mundo, vivários cheios de aves e répteis e um planetário com atrações interativas.

Outra boa dica para quem viaja a Medellín é conhecer a Piedra del Peñol, um morro de 2 mil metros de altura com vista para a Laguna de Guatapé, na cidade vizinha de Guatapé, a cerca de 40 minutos de carro de Medellín. Para chegar até o topo da pedra, é preciso subir 650 degraus, mas a paisagem lá em cima compensa todo o esforço!

Onde comer

Na Colômbia, é muito comum encontrar os chamados D1, mercados de preços baixos (especialmente em Bogotá e Medellín, cidades maiores). Se você quer economizar nas refeições, compre seus mantimentos nesses locais e aproveite a estrutura dos hostels para cozinhar. Provavelmente, o orçamento da sua viagem ficará mais enxuto ou vai sobrar mais dinheiro para os passeios.

Se preferir comer na rua, também há opções mais econômicas. Prefira estabelecimentos fora da Zona T (região dos barzinhos e restaurantes mais badalados), e dê preferência a locais que exploram a culinária típica. Entre os pratos que você não pode deixar de experimentar, está o tamal, uma massa de milho com recheio de carne, queijo e legumes. Outro preparado é o lechona, feito com carne de porco, ervilhas, arroz e cebola.

Onde dormir

Tanto Medellín quanto Bogotá possuem vasta quantidade de hostels, pousadas e hotéis. Aqui, a dica para não errar é estabelecer o quanto de conforto você quer ter e o quanto do seu orçamento vai para hospedagem. A diária nos hostels pode sair bem mais em conta, se você reservar com antecedência e na baixa temporada.

Alguns hostels permitem até mesmo que os mochileiros levem suas redes e as pendurem nas áreas externas, cobrando ainda menos. De qualquer maneira, pesquise sempre com antecedência as condições do local. Leia avaliações e fóruns na internet sobre experiências de outros viajantes. Se optar por passar as noites em um hotel, faça as contas e verifique se vale a pena ou não incluir o café da manhã. Dependendo da quantidade de dias que você vai viajar, pode ser mais econômico.

Como se locomover

O transporte público é barato, mas não espere grandes luxos. Em Medellín, a maneira mais fácil de se locomover é pelo metrô. Nas demais cidades, use táxis ou ônibus. Muitos mochileiros relatam que os táxis são baratos na Colômbia, mas é preciso negociar preços antes, pois eles não usam taxímetro. Se perceberem que você é turista, podem tentar cobrar mais caro, então fique de olho!

O transporte de ônibus entre as cidades costuma ser econômico, e há também a possibilidade de utilizar avião. A Colômbia tem uma companhia aérea famosa por seus preços econômicos, a Viva Colombia. Comprando com antecedência, você consegue encontrar ótimas promoções (e pode ser que valha mais a pena do que viajar de transporte rodoviário durante muitas horas).

Clima

A Colômbia tem um clima bastante variado, dependendo da região do país em que você estiver. Nas áreas litorâneas, costuma ser quente (bem quente!) e úmido. Já na região central e montanhosa, costuma bater um friozinho. Para não errar, planeje seu roteiro antes de preparar a mochila. Se a sua ideia é passear por diferentes lugares, prefira roupas leves e coloque um casaco mais grosso para os dias de frio.

Idioma

O idioma, claro, é o espanhol, e se você conseguir se comunicar na língua local, fica mais fácil de negociar preços. Na Colômbia, a pronúncia de algumas palavras que terminam em “do” é diferente. Por exemplo: lado se pronuncia la’o, partido fica parti’o. Veja outras expressões que vale a pena conhecer para facilitar o entendimento do idioma:

  • Que pena! – significa desculpa. Por isso, se alguém esbarrar em você e soltar um “Que pena!”, não estranhe.
  • Regálame – vale prestar atenção na forma de usar essa expressão. Nos outros países, se você disser “regálame”, algo, vão entender que você está pedindo alguma coisa de graça. Mas na Colômbia é diferente: é muito comum pedir um almoço ou produto em lojas usando a expressão, e, em geral, as pessoas entendem que você vai pagar.
  • Chévere – significa bacana, legal.

Veja outras dicas para viajar pela Colômbia

  • Poucos hotéis na Colômbia têm banheiros com água quente. Se isso for um problema para você, confirme essa informação com o estabelecimento antes de reservar a hospedagem;
  • Outra questão bastante característica da hospedagem no país são as camas, que costumam ter colchões bem duros (de novo, se você não se importa com isso, não tem com o que se preocupar, mas se prefere colchões fofinhos, verifique com o hostel antes de fazer a reserva);
  • Pedir descontos em serviços costuma dar resultado: os colombianos são abertos a negociações e estão acostumados com isso;
  • Em algumas praças, é comum você encontrar wi-fi gratuito. Caso precise, as cafeterias Juan Valdéz (espécie de Starbucks de lá) também são um bom lugar para conseguir internet.
  • Preste atenção aos preços dos supermercados. Frequentemente, eles costumam estar errados (o preço da prateleira não condiz com o preço do caixa, e por aí vai);

Lembre-se: quando você está em outro país, é fundamental respeitar a cultura e o povo local. Com um planejamento organizado, você conseguirá realizar sua viagem dos sonhos sem incômodos ou perrengues! Agora, é só fazer as malas! #packandgo

O que você achou das nossas sugestões de viagem? Confira nosso próximo post com mais dicas para sua viagem ser incrível!

Tags:
Deixe um comentário

Share This