Kitesurf 101: tudo que você precisa saber

Você já ouviu falar em kitesurf? A prática do esporte consiste em uma pipa amarrada na cintura do atleta, que fica sobre uma prancha e é puxado pelo vento, mar afora. Em meio à natureza, os atletas flutuam sobre a água e podem dar vários saltos e giros, misturando manobras de surf, wakeboard e windsurf, o que proporciona sensações únicas e de bem-estar.

O melhor de tudo é que esse esporte não é dos mais difíceis de aprender, sendo muito indicado para quem gosta de aventura. Conheça tudo sobre o que é o kitesurf e se apaixone por esse esporte que, que entre outras vantagens, não polui e não agride a natureza!

Vantagens da prática do kitesurf

O kitesurf proporciona inúmeros benefícios aos praticantes, que contribuem tanto com o bem-estar físico quanto mental. Além disso, a prática desse esporte não exige que haja ventos fortes e tampouco muitas ondas. Por isso, existem várias razões para você se interessar e começar a praticar a modalidade! Confira algumas delas logo abaixo!

Conhecer lugares com paisagens incríveis

Os praticantes de kitesurf buscam praticar o esporte sempre que possível, procurando por bons ventos em diferentes lugares, muitos deles com paisagens paradisíacas. Assim, curtir um velejo o levará a lugares incríveis e de encher os olhos.

Fácil aprendizado

Claro que como em toda modalidade esportiva, o tempo para aprendizado do kitesurf depende da aptidão e da dedicação de cada um, mas é possível que o aluno já consiga velejar em média após 3 a 7 dias de aulas.

Aqueles que já possuem algum tipo de experiência com outros esportes no mar usando pranchas ou possui noção das direções do vento, tendem a demorar menos tempo. Para qualquer aluno, após as primeiras aulas, a evolução também acontece de forma muito rápida.

Longevidade

O esporte, por ser seguro e não apresentar muitas dificuldades é um dos mais democráticos, sendo praticado por pessoas dos mais variados perfis: homens, mulheres, crianças e idosos. E como ele não causa grandes impactos, pode ser praticado por muitos anos, até a terceira idade.

Saúde física e mental

Como qualquer outro esporte, o kitesurf exigirá do seu condicionamento físico e te ajudará a gastar calorias. As partes do corpo que costumam sofrer uma carga maior são as costas e as pernas, mas tudo com impactos suaves. Ou seja, ele te ajuda a manter a forma e ainda atua como terapia, contribuindo com a saúde da sua mente.

Como iniciar?

Por questões de segurança, a melhor maneira de se aprender a modalidade é fazendo um curso, no qual um especialista faça a apresentação sobre o que é o kitesurf, de todos seus conceitos, inclusive os de segurança, e equipamentos que envolvem a prática desse esporte.

Normalmente, no início, o aprendiz começa a se familiarizar com o kite, fazendo voltas sem a prancha. Isso permite que ele aprenda a controlar o equipamento, conquistando noções de direção e comandos para parar e estacionar, além da percepção da força em que ele é puxado.

Depois dessa etapa, quando o praticante já consegue dominar o kite com calma, é hora de se equilibrar na prancha e sair velejando, o que é um caminho sem volta!

Equipamentos mais importantes

Para a prática desse esporte são necessários praticamente quatro elementos: o kite, as linhas de voo, a barra de controle e a prancha. Confira mais informações sobre cada um deles:

Kite

Kite significa pipa e é como se fosse o responsável por puxar o atleta em sua prancha. Existem vários modelos de kite, sendo os infláveis os mais utilizados. Esses tipos de kite possuem uma superfície de tecido, talas e um arco principal, que permite que eles fiquem insubmersíveis e aptos a redecolar, mesmo após longos períodos na água.

Outra vantagem é que eles podem ser usados em várias faixas de vento, sendo necessárias de quatro a cinco linhas de voo, dependendo do modelo utilizado. Os kites infláveis podem ser divididos em dois grupos: os “Cs” e os “flats” ou “bows”.

Normalmente, o primeiro, que tem formato de uma letra C, é mais difícil de ser controlado e é mais limitado para acelerar e frear, sendo mais utilizado em competições. Já os “flats” ou “bows” têm um formato mais achatado, o que possibilita um maior controle da velocidade.

Eles também têm mais facilidade para redecolar quando caem na água, muitas vezes não precisando sequer de intervenção do atleta. Esses fatores fazem desse modelo o mais procurado por aqueles que estão iniciando no esporte ou não possuem grandes habilidades.

Linhas de voo

As linhas de voo medem de 20 a 30 metros, conectam o kite à barra de controle e são divididas entre as principais — que puxam o atleta — e a de freio — usadas para a redução da velocidade. A quantidade de linhas de voo necessárias varia de acordo com as pipas utilizadas.

Barra de controle

Como o próprio nome sugere, a barra é utilizada para controlar a direção. Ela é movimentada de um lado para o outro, de acordo com a vontade do atleta. É a partir da barra que é definida a direção e também a potência do kite, sendo que ela possui, inclusive, um sistema de freio em casos de emergência.

Pranchas

Não existe um único tipo de prancha para a prática desse esporte, pois podem ser usados diferentes estilos, como as pranchas de surfe com alças para os pés, as de wakeboard ou a bidirecional, embora elas sejam construídas com materiais mais resistentes a impactos. Veja alguns dos modelos disponíveis a seguir:

  • Direcionais: essas pranchas são semelhantes às de surfe, pois possuem alças para os pés e são maiores, o que permite uma melhor flutuação e facilita a prática do esporte com ventos mais fracos, além de possibilitar saltos mais altos;
  • Bidirecionais: com quilhas menores do que as direcionais, essas pranchas possuem lados iguais, ou seja, não contam com frente ou traseira, o que facilita a mudança de direção;
  • Wakeboards: esse é um tipo de prancha pequena que quase não flutua, o que permite mais agilidade para a realização de saltos e giros — como sua flutuação é pequena, o uso desse modelo de prancha exige ventos fortes para a prática do kitesurf.

Quais são os perigos?

Os riscos apresentados por essa modalidade são baixos, uma vez que os equipamentos se demonstram muito seguros. Quando ocorrem, os acidentes normalmente caracterizam algum descuido ou confiança demasiada. Mas é claro que os perigos só são amenos para aqueles que seguem as regras básicas adotadas na prática do esporte.

Como praticar kitesurf com segurança?

Como na maioria dos esportes marítimos, o respeito mútuo e o conhecimento dos possíveis riscos aos quais o atleta está exposto e que pode expor as outras pessoas já diminuem, e muito, os perigos. No entanto, independentemente do nível técnico do esportista, qualquer um que for praticar kitesurf deve seguir normas básicas de segurança, como essas indicadas abaixo:

  • prever com antecedência eventuais emergências que possam ocorrer enquanto veleja;
  • usar sempre os equipamentos de segurança indicados para as ocasiões às quais vai se submeter;
  • verificar sempre os equipamentos, checando se não existem danos e se estão corretamente instalados;
  • não deixar nenhuma parte dos equipamentos solta na praia e não permitir que eles se desintegrem, evitando que alguma de suas partes cause acidentes;
  • só suba na prancha se você estiver psicologicamente e fisicamente preparado, além de estar por dentro da previsão do tempo, pois uma tempestade pode ocasionar um acidente fatal;
  • certifique-se de que você pode controlar a força do vento, antes de subir na prancha;
  • ao chegar a um lugar novo certifique-se de que você dispõe de espaço suficiente para praticar o esporte, longe de casas e barcos, ou outros obstáculos que possam apresentar alguma espécie de perigo — além disso, pergunte a uma pessoa do local quais são as regras para a prática de esportes aquáticos e as peculiaridades do lugar;
  • use sempre uma corda de segurança e mantenha um mecanismo que permita a rápida liberação dos equipamentos.

Regras da prática de kitesurf

Como todo esporte, o kitesurf possui algumas regas, chamadas de prioridades, que normalmente são relacionadas ao bom senso de cada um. Uma delas é dar prioridade ao kitesurfista que estiver entrando na água, de maneira que o que já esteja velejando faça o retorno e dê espaço para que ele entre.

Em uma situação em que dois esportistas já estejam na água, velejando no mesmo sentido, a prioridade é do kitesurfista que estiver mais devagar. Assim, o mais rápido, que estiver vindo atrás, deverá fazer a volta e mudar seu curso, dando espaço aos que estiverem na frente.

Já quanto aos outros banhistas, esses têm sempre preferência, pois é preciso tomar cuidado com as pessoas que estão na praia. Para isso, a regra é que os kitesurfistas passem a favor do vento das outras pessoas, para evitar um possível choque, o que seria perigoso para ambos.

Outra regra simples, mas essencial para evitar colisões, é manter o kite baixo caso esteja indo em direção ao vento e alto em caso de sentido contrário.

Por todas as vantagens apresentadas e sobretudo por ser praticado em meio à natureza, ao ar livre, em um ambiente de sol e praia, o kitesurf é um esporte que gera sensações únicas e proporciona experiências inesquecíveis.

E você, já tinha conhecimento sobre o que é kitesurf? Pretende iniciar ou já pratica o esporte? Conte pra gente sobre suas experiências nos comentários!

Tags:
Deixe um comentário

Share This