Time Wöllner: expedição no México com Bike Myself

  • Home
  • Esportes
  • Time Wöllner: expedição no México com Bike Myself

A quarta expedição de bicicleta do Bike Myself foi no México.

Nos 43 dias pedalando da Cidade do México até Cancún, pude ver que o México é muito, mas muito mais que a costa caribenha que a maioria dos brasileiros visita.

O que percebi nessa expedição é que esse país pode ser explorado em três diferentes vertentes turísticas: cultural, gastronômica e natural.

Cultural

A capital é uma das cidades com mais museus no mundo, destacando principalmente o Museu de Antropologia, que conta muito da história pré-hispânica e os museus e casas referentes aos artistas Frida Kahlo e Diego Rivera.

Existem muitos outros museus e lugares com cunho artístico, mas nessa parte cultural o que mais me chamou atenção foi a parte anterior da colonização espanhola.

Essa parte da história mexicana pode ser vista mais de perto nas centenas de ruínas das civilizações pré-hispânicas, como Aztecas, Mayas, entre outros, que estão espalhadas por todo o território do país. É incrível ver como a tradição, cultura, história e tecnologia (principalmente de construções e agricultura) influenciaram e influenciam a vida dos mexicanos.

Conhecer esses lugares foi uma das coisas mais valiosas de toda a viagem, pedalar entre uma cidade e outra e conhecer esses sítios, não foi só mágico mas de um aprendizado inexplicável.

 

Gastronomia

O México é um país com um território grande, e assim como no Brasil, cada região tem sua particularidade gastronômica e cultural. Taco Árabe e Mole em Puebla, Mezcal (uma bebida da “família” da Tequila) e Tlayuda (uma espécie de pizza mexicana) em Oaxaca. Embora cada região tenha sua comida e prato específico o que me chamou atenção foi a presença constante das salsas nos pratos.

Antes de visitar o México eu tinha um entendimento de que a comida era picante e ponto, mas depois de um tempo por lá, eu entendi que as salsas são o grande diferencial da comida mexicana.

Experimentar uma simples quesadilla sem salsa não é uma experiência elegante, é necessário experimentar a salsa caseira de cada lugar que você come, e sempre te oferecem variedade, por isso misturar as salsas dá a cada mordida um novo sabor, deixando cada comida que você experimentar com uma assinatura própria daquele lugar.

Natureza

Como comecei pelas áreas montanhosas, o início foi a parte que mais exigiu fisicamente: além de um sobe-desce sem fim, encarava em um dia uma cidade fria, no outro uma cidade quente. A temperatura era um pouco inconstante devido a variação de altitude, mas as paisagens eram lindas e percursos estavam longe de serem monótonos, e essa é uma grande vantagem de pedalar em montanhas.

Depois desse início montanhoso, comecei a me aproximar da parte plana…

Antes de chegar ao mar, passei por um lugar chamado Bacalar, uma pequena cidade em volta de uma lagoa de 7 cores que foi definitivamente uma das coisas mais lindas que vi e acredite, de água doce.

Finalmente na Costa Caribenha, o mar era de um azul estonteante, polvilhado de lindas ilhas. Mas quanto mais me aproximava de Cancun, mais eu via a cultura mexicana se perdendo, e isso realmente me fez não gostar tanto daquela região.

Muitos resorts, grandes lojas de departamento, turistas que não buscavam se enriquecer culturalmente.

Minha conclusão é que com certeza você como turista vai encontrar o que procura no México, o país é muito vasto e diverso. Sem a menor dúvida, as praias são imperdíveis, mas vale muito a pena explorar mais o coração do México e conhecer de fato sua cultura incrível. É estar presente onde tanta história aconteceu e sair de lá muito mais rico culturalmente.

Pedro Vianna do Time Wöllner.

Tags:
Deixe um comentário

Share This